vendredi

INFO EXPO

FOTO FLAVIO ANDRADE


EXPOSIÇÃO


RESQUÍCIOS DE MITOS NUM ENSEJO DE EMPLIAR

DE 7 A 31 DE AGOSTO 2007

VERNISSAGEM DIA 7 DE AGOSTO AS 18H00

GALERIA DO PAÇO DA CULTURA
GUARDA
(PORTUGAL)

DAS 14H00 ÁS 20H00 E DAS 21H00 ÁS 23H00
TEL: 271 20 55 40



Falar de um pintor solar.
Repleto de imagens em desígnio profundo.

Não ser apenas um realejo de cores.

Atravessar a alma por dentro mesmo às escuras.

Alguns seres habitam no nada, habitam em tudo.

Sem os pés no chão gritam e inscrevem palavras na parte de fora
Cá longe escutamos com o olhar.

Um homem que pinta e escreve não lê o que pensa- diz.
Veste-se de telas e folhas, amanhece os nossos verões
Sempre há de acordar com a infância nas mãos
Habita na imobilidade sagrada dos que emocionam o ver
Decreta simples nulidades do tempo para existir no agora
Possivelmente o real gostaria de ser assim
Às vezes o único espaço é o fragmento da fala
De palavras inscritas acontecem grafias perplexas
A respiração do tempo não termina na tela, prolonga-a.

As imagens são de uma nocturna transparência que habitam a esperança
Tornar-se símbolo de si próprio, ou a palavra coerência ser correcta
Cozinhar ambivalências para preservar o simples
A pureza das formas contém as imagens da vida
Passou um cão amarelo com a memória às costas
Da Dona Aldeia ecoam vozes, cheiros e cores que a mão agradece
O entendimento não é rei aqui, demitiu-se para poder.
Ontem chegou a emoção ontem é muito longe significa o princípio
A metáfora é mensagem a mensagem é silêncio
A procura está para lá da imagem do pensamento imediato.
Neguemos a consciência do racional para interpretar
Os contrários povoam pinturas que dialogam em círculos.

O texto visual é repleto de códigos verbais e tudo.

Equilibram-se imagens no espaço de cima.

Para o pintor o mundo é admirável, nada mais.

Nunca ninguém esteve aqui para sempre
As imagens habitam transparências que levariam ao início.


António Xavier


no jornal o interior
http://www.ointerior.pt/noticia.asp?idEdicao=406&id=17512&idSeccao=4781&Action=noticia

Kim Prisu está de regresso à Guarda com uma exposição de pintura na galeria do Paço da Cultura. A mostra intitula-se "Resquícios de Mitos num Ensejo de Ampliar" e será inaugurada na terça-feira. Até ao final do mês estão patentes 30 obras, a maioria das quais são desenhos-pintura sobre papel, «concluídos este ano», adianta o artista, que já conta com mais de 50 exposições em França, Bélgica, Alemanha, Espanha e Portugal.

Para ver, também pela primeira vez na Guarda, há ainda quatro esculturas feitas com materiais recuperados e alguns trabalhos dos últimos anos. «A minha arte evoluiu, pois este país fez com que a minha visão mudasse. Entrou mais poesia na minha criação», garante. Kim Prisu afirma sentir «muito prazer» em expor na Guarda, pois foi aqui que, regressado de França, teve o seu primeiro contacto com outros criadores de outras áreas artísticas, «como o Américo Rodrigues e o Aquilo», recorda. Além disso, «é estar na minha terra, mesmo se a minha Aldeia da Dona fica a 50 quilómetros». Kim Prisu, aliás Joaquim Borregana, nasceu em 1962 naquela pequena localidade do concelho do Sabugal, mas foi para França aos nove meses. Regressou definitivamente em 1996, não sem deixar para trás um currículo impressionante no domínio da arte contemporânea e alternativa. Senão veja-se. Nos anos 80, em Paris, Kim Prisu – nome artístico "roubado" à marca de uma grande superfície – e Quim P. (Joaquim Pereira) deram origem ao conceito "Nuklé-Art", cujo objectivo a arte total.

Em 1984, juntamente com Kriki (Cristian Vallée) e Paul Etherno, forma o grupo "Nuklé-Art", pioneiro na figuração livre e na "computer e media art". Para divulgar a sua arte, o trio começou por instalar obras na rua ou no metro, mas em 1986 entrou nas galerias de arte parisienses, e no mercado oficial, graças ao leilão com o sugestivo título "Les Jeunes Débarquent" [Chegam os jovens]. Enquanto grupo estruturado, os "Nuklé-Art" existiram até 1987, seguindo depois Kim Prisu uma carreira a solo que o levou a expor a título individual ou em colectivas ao lado de obras de Jean-Michel Basquia, Keith Haring, Combas ou Dirosa. Em 1989 começou o seu primeiro projecto em Portugal, cujo objectivo era fazer na sua terra natal uma «aldeia cultural». Dessa vontade sobram hoje várias esculturas ligadas à memória dos sítios onde foram erguidas. Quanto à sua arte só foi apresentada no nosso país em 1994, no Clube Arte 50, em Lisboa, por intermédio de um coleccionador suíço e da galeria "Cristophe".

Dois anos depois Kim Prisu regressa a Portugal e recomeça um novo percurso artístico, expondo na Guarda, nas Bienais de Coruche e do Avante, em Palmela, Setúbal ou Lisboa. Por cá continuou o mesmo conceito de arte total, mas desta vez no "Mundo dos Inteiros", que criou em 2003 com António Xavier, Paulo Proença, Sebastião Maresia, Rui Malo, Espinal Medula e Flávio Andrade, fazendo poesia, performances e pintura. Na Guarda também colabora com Américo Rodrigues e o Aquilo. Em 2005, o seu quadro "Naissance de trait bleu" foi apresentado como exemplo numa conferência da exposição "Sons et Lumières", no Centro Pompidou (Paris).


6 commentaires:

Menina_marota a dit…

Que pena não poder estar presente na exposição.
Mas desejo-te o melhor EXITO do mundo.

Bj
:)

Rafaela a dit…

Obrigada pela a visita amei o poema. Bjokasss!!

Frambú a dit…

Kim, quero agradecer-lhe a visita ao meu blog e as palavras que lá deixou.
Sinto-me encantada por um artista como o meu caro ter apreciado a minha humilde casa :)

Muito obrigada e felicidades.

Vou tentar espreitar a exposição.

Bisou *

Natalie Afonseca a dit…

Eu ia...se estivesse por perto!!!!
O melhor!!! :))))))

**

Pierre Juteau a dit…

Félicitations. Congratulations.

Votre travail est vraiment impressionnant. Your artwork is very impressive.

hasta la vista!

Pierre Juteau
http://www.juteau.com/

Eric Blair a dit…

long time no see